Rio de Janeiro com o Espírito Carioca

Cansado de ser solteiro no Rio de Janeiro?

Veja nossa lista de lugares para conhecer gente bonita, interessante e desimpedida

12 Jun 2013 às 12:52

O Dia dos Namorados vai chegando, trazendo todo um clima de romantismo para a cidade. As vitrines nas ruas ficam repletas de corações, frases meladas começam a brotar em todos os cantos e a palavra amor parece nos perseguir aonde quer que vamos.

 Argh! Para quem não tem um alguém especial com quem passar a data, esse é um período bem irritante. A vontade é de se trancar em casa e só sair no dia 14 (porque dia 13 ainda é Dia de Santo Antônio).

Para você que se enquadra nesse perfil, preparamos um roteirinho com lugares legais na cidade para conhecer pessoas jovens, bonitas e interessantes e, quem sabe, passar o dia dos namorados de 2014 acompanhado? Mas tudo depende, claro, de qual o seu “tipo”. Por isso, separamos os locais por perfil dos frequentadores.

Então, se você procura um tipo...

Carioca de crachá:

Aquele(a) carioca da gema, que aproveita a cidade, está sempre na praia, provavelmente surfa, joga futevôlei, anda de bicicleta. Esse perfil está em vários lugares do Rio de Janeiro, mas em algum dia da semana ele(a) vai estar no Baixo Gávea. Pode ter certeza. Quando não der as caras no BG, ele(a) deve estar tomando um chope na mureta da Urca em frente ao Bar Urca ou comendo uma empada no Belmonte do Leblon.

Corporativo (a):

Se você gosta de um perfil mais executivo, que está sempre de camisa social (ou sapato alto), trabalha numa grande corporação ou no mercado financeiro, corra para a Champanheria Ovelha Negra em Botafogo ou para os bares da Rua do Mercado no Centro.

 

Alternex:

Se você curte um tipo mais alternativo, que não frequenta o BG porque é muito mainstream, que gosta de indie rock, provavelmente trabalha com tecnologia ou publicidade e usa camisa listrada e All Star (serve para homens e mulheres), o seu lugar é a Casa da Matriz. Esse tipo aparece por lá às quartas no Kakokê Indie e às quintas na Veneno. Ou nas outras diversas festas da casa. E se não for dia de Matriz, deve ser dia de Bukowski. Vale dar um pulo na boate de rock’n roll. Nem que seja para dar um tapa no narguilé.

Gringo (a):

Para quem tem uma quedinha por aquela pele branca, cabelos loiros, olhos azuis e sotaque esquisito, o melhor é ir conferir um dos diversos albergues da cidade. O Che Lagarto de Ipanema, por exemplo, é uma boa pedida porque dá pra emendar do Lord Jim, pub vizinho. O Albergue da Matriz tb fica do lado da casa de mesmo nome. O Lemon Spirit no Leblon tem um ambiente bem friendly e Pura Vida Hostel em Copa tem umas noites de jazz maneiras.

 

Natura:

Se o seu tipo é mais bicho do mato, que curte natureza, tá sempre numa das cachoeiras da cidade, viaja pro Sana ou ou acampa na Ilha Grande nos feriados, corra para a Lapa ou Santa Teresa. Apesar de viver cheio, o Bar do Mineiro vale a pena. Nada como puxar um papo com alguém enquanto espera uma mesa tomando uma cerveja. Os showzinhos mais low profile do Circo Voador também costumam atrair essa galera. Dê um pulo por lá no próximo evento de reggae ou maracatu.