Rio de Janeiro com o Espírito Carioca

Carnaval no Rio

O que ninguém te lembra antes de sair de casa pro bloco...

07 Fev 2013 às 12:42

carnaval blocos de rua rodrigo romano posto zero

Alah-la-ô-ô-ô-ô! Carnaval no Rio é um grande rebuliço. A cidade fica tomada pelo confete e pela serpentina, quer você goste, quer não. Marchinhas, sambas, frevos, afoxés, rock and roll, maracatus, funk, sertanejo, música brega e até temas de games como Super Mario Bros; tudo vira bloco. E já não se sabe ao certo quando começa o Carnaval, mesmo que o calendário teime em determinar uma data. Quem é folião de verdade sabe que o Carnaval começa logo depois do Reveillón – e às vezes até antes, quando as ideias de fantasia e do roteiro carnavalesco já vão tomando conta das rodinhas de bate-papo. Daí para as andanças pela Saara atrás de adereços e fantasias é um pulo e num piscar de olhos, tlin! O skindô-skindô toma conta dos quatro cantos da cidade e a purpurina, o confete e a serpentina estão liberados! Para quem vai passar ‘o maior show da terra’ por aqui, o Posto Zero preparou as boas do chamado 'Carnaval do Bem', para evitar perrengues desnecessários e não passar por mané. Muito ziriguidum para todo mundo!

Fantasia:
Obrigatório. Tudo bem se você não está com a criatividade tão em alta ou tem preguiça de investir em super visual. Mas Carnaval sem fantasia, francamente...não tem coisa mais sem graça. Pode ser algum acessório comprado em camelô ou uma peça emprestada de uma amiga, o que importa é fazer um pouco de piada com o próprio visual. Mas lembre: fantasia não é para ser martírio, por isso, cuidado com roupas/perucas muito pesadas e calorentas que podem fazer você se arrepender de ter se fantasiado. Depois das muitas cervejas que rolam soltas, ir ao banheiro pode virar um suplício ainda maior se você tem muitas camadas de roupa para tirar.

Bom Humor:
Acordou sem ele? Melhor nem sair de casa. Carnaval é uma festa popular, gigante, democrática, regada a muita cerveja, logo, alguns exageros fazem parte do script. Pintou um stress? Leve na boa, saia de fininho e continue a sua festa! 

O que não levar:
Não dê mole e deixe máquina fotográfica, carteira e afins na segurança do seu lar. Uma graninha, um documento e um telefone velho - só para encaixar o chip e conseguir falar com a rapeize - está de bom tamanho. Não precisa de muito mais que isso para ser feliz pelas ruas do Rio! Se tiver que levar essas coisas valiosas, entoque bem e fique de olho. Outra cilada: Havaianas. No resto do ano faz parte do uniforme carioca, mas no bloco a chance de levar um pisão e sair com a unha preta ou pior, com a alça arrebentada é altíssima. Um bom AllStar velho ou o que o valha é a boa.

Horários: 
Não confie em tudo que você lê sobre os blocos, principalmente em relação aos horários. Se quiser garantir o iniciozinho do desfile, chegue sempre um pouco antes do horário marcado. Se você chegar no Céu na Terra do sábado às 9h, por exemplo, saiba que vai pegar a galera já na dispersão no Largo das Neves .

Acredite, vale a pena acordar cedo: 
Não é lenda: para aproveitar o melhor do Carnaval do Rio, é preciso disposição. Os melhores blocos estão saindo cada vez mais cedo e às vezes para não perder a folia, é preciso fazer um esforcinho extra e cair da cama. Um bom açaí ou um café da manhã reforçado alimenta e garante uma energia extra, ideal para pular até o fim do bloco.E claro, evita que você queime a largada já de manhã.

A Cerveja e seu poder diurético:
Diz que agora a coisa tá séria: quem faz xixi na rua pode ser preso. E ninguém merece passar esse perrengue em pleno Carnaval, não acha? Por isso, por mais difícil que seja algumas vezes, procure um banheiro químico para liberar toda a cerva que ingeriu. É muito comum bares e até moradores liberarem um banheiro minimamente digno por um troco. Se você achar um desses pelo caminho, aproveite porque é a boa.


 

Quer mais? Clique aqui e fique por dentro da agenda carnavalesca completa no Posto Zero.