Rio de Janeiro com o Espírito Carioca

Comida de feira

As feiras livres se transformaram em opção para quem quer curtir a culinária de rua.

post por Beatriz Moraes - 24 Jul 2013 às 06:12

Algumas feiras de rua da cidade têm virado ponto de encontro não apenas de quem quer comprar legumes e verduras frescos, mas de quem quer saborear a gastronomia peculiar que elas oferecem. Para um almoção sem horário no fim de semana ou para uma fugidinha rápida do trabalho, a culinária das ruas cumpre perfeitamente seu papel: saborosa e com espírito carioca.

O clássico pastel não está mais sozinho: bolinhos de bacalhau, acarajé e até comida japonesa reunem em volta de suas barracas um público interessado em fazer refeições no clima descontraído da feira.

 

Pastel do Oswaldo
 



O pastel de feira tem seu valor e para os cariocas, o mais pedido é o pastel do Oswaldo. A barraca que circula pelas feiras da General Urquiza no Leblon (às quintas-feiras), Tadeu Kosciusko no Centro (aos sábados)  e Augusto Severo na Glória (aos domingos)  está sempre lotada de cariocas que viraram clientes fiéis. Os recheios são clássicos: queijo, carne e palmito - todos com gostinho caseiro e fritos na hora.






 

Sushibar Cellos
 

 

A barraca é facilmente vista na feira: grande, com muitos funcionários, várias pessoas no balcão e outras disputando as mesas de plástico que ficam ao entorno. A inovação foi idealizada por Arnaldo Barcellos, feirante vendedor de peixe. Após receber muitos pedidos de seus clientes para cortar os peixes tipo "sashimi", Barcellos resolveu levar a comida japonesa para feira. Além dos peixes fresquinhos cortados na hora, a barraca conta com um cardápio variado que inclui também hot filadélfia e harumakis. No Grajaú às terças, Jacarepaguá às quartas e Ilha do Governador aos sábados.


Mazzaropi

 

O cearense Severino, conhecido popularmente como Mazzaropi, trabalhou anos em um botequim em Laranjeiras antes de se aventurar pela feira da General Glicério. Lá, aprendeu a receita do bolinho de bacalhau que é o maior sucesso entre os frequentadores do local. Segundo Mazzaropi, o segredo é colocar mais bacalhau do que batata, mas o gostinho do bolinho servido na barraca é inigualável. Quer provar? Corre na General Glicério aos sábados.









Acarajé da Feira Hippie de Ipanema

   
A esquina dos quitutes baianos da Feira Hippie de Ipanema se faz notar a um raio de um quarteirão de distância pelo cheirinho do azeite de dendê. Entre os tabuleiros de doces variados, temperos e muita pimenta, se destaca o acarajé frito na hora saindo do panelão da baiana. O recheio de vatapá e caruru está sempre impecável e transporta quem prova a delícia para um pedacinho da Bahia. Aos domingos na General Osório.




 



Tapioca



A barraca Estação Tapioca funciona na feira da Rua Frei Leandro esquina com Custódio Ferrão, na Lagoa aos sábados. A iguaria pode ser provada aos sábados pela manhã, horário de funcionamento da feira. A versão recheada com queijo coalho é a mais pedida, mas vale provar também a tradicional com manteiga. A barraca fica em frente ao restaurante Olympe e atrai fãs de carteirinha, como o renomado chef Thomas Troisgros.