Rio de Janeiro com o Espírito Carioca

Entrevista: Robert Guimarães

Um papo animado sobre a mais queridinha das feiras da cidades, a Feira Hype

post por Amanda Scarparo - 10 Abr 2013 às 07:15

Dar uma volta pela Babilônia Feira Hype já é um daqueles programinhas queridos dos cariocas, praticamente um clássico para quem gosta de moda, arte urbana, música, coisas criativas e novidades. Celeiro de marcas que dali ganharam o mundo como Via Mia, Farm e Foxton, a Babilônia aposta numa forma descontraída de garimpar peças bacanas. Fazer com que o público passe pelos stands, ouvindo uma boa música e entrando em contato direto com os estilistas e artistas - que não raro fazem as vezes de vendedores - certamente contribui para este espírito de feira, hype, moderninho e pra lá de carioca que a gente adora. O Posto Zero bateu um papo com o babilônico Robert Guimarães e ficou sabendo de tudo que vai rolar na próxima edição, agora no Clube Monte Líbano, nos dias 20 e 21 de abril. Entre outras coisas, Robert é empreendedor cultural e co-criador da feira queridinha da cidade e de outras iniciativas ligadas à moda, comportamento e economia criativa. Dá só uma olhada como foi!

 

Robert Guimarães, Babilônia Feira HypePZ - Feiras como o Spitafields Market, em Londres ou os Flea Markets de Nova York e Berlim movimentam boa parte da cena independente da moda local. A Babilônia nasceu com este espírito de trazer `a tona a cena do Rio? Estas feiras gringas foram de certa forma, uma inspiração para vocês? 

Robert - Tudo começou com chegada do meu sócio Fernando Molinari ao Rio. Paulista recém chegado da Europa, onde viveu por 6 anos entre Londres e Berlim e que escolheu o Rio para voltar a morar no Brasil. Logo que nos conhecemos no início de 1996, começamos a criar a Babilônia Feira Hype. Falávamos muito sobre o Rio não ter um lugar que mostrasse o seu criativo contemporâneo, seus novos criadores, novos artistas, estilistas e designers. A pergunta então era: 'Onde tem uma Spitafields do Rio?' E não tinha. A Feira Hippie representou isso no anos 1970 e achamos que era hora que uma nova feira, mais 'hype', resgatar isso com um olhar atual e moderno.


PZ - A Babilônia nasceu em 1996, numa época em que o carioca ainda não estava acostumado a comprar em feiras. De lá pra cá, isso mudou?

 Robert - Não estava acostumado por que não existia. Para "estar na moda" ou criar um estilo diferente você tinha que comprar as criações das grandes  grifes. O que queríamos era forçar um novo olhar, uma nova forma de consumir e vender moda, criação. Se de um lado o público não tinha muita opção, de outro os estilistas também estavam encurralados: ou criava para uma grife onde seu nome dificilmente apareceria ou eram uma espécie 'sacoleiro', oferecendo suas criações aos amigos e amigos de amigos.

 

PZ - Como foi criar um evento como a Babilônia neste cenário, onde a moda não tinha tanto espaço como hoje?

Robert - A Feira Hype veio praticamente antes da internet, o canal a cabo estava chegando, você não acessava o mundo pelo celular. A informação de uma forma geral era limitada e as referências e tendências, para poucos. Nosso desafio era quebrar a mesmice e oferecer algo novo, inquieto. A verdade é que estávamos no lugar certo, na hora certa e com as pessoas certas fazendo algo despojado, arrojado e alegre, que é a cara do Rio. Não deu outra, a Babilônia Feira Hype em menos de 1 ano já era querida dos cariocas e uma grata surpresa também para os turistas. 


PZ - Existe um padrão de consumo tipicamente carioca? O que a galera que vai à Babilônia gosta de ver? 

Robert - Isso vem mudando muito recentemente, o carioca está precisando recuperar seu lifestyle genuíno. Tá ficando muito engomadinho pro meu gosto! (risos). Sabe o que aconteceu com os botecos transformados em botequins de boutique? A moda tá igual. Por isso a Babilônia Feira Hype continua sendo um espaço, uma opção de compra onde você foge um pouco esse padrão. O nosso público gosta de novidades, criatividade, produtos divertidos. 

 

PZ - Você e o Fernando criaram e 2007 um instituto, o INBRACULTMODE, com a ideia de difundir e investir em formação no setor de moda, inclusive estabelecendo parceria com o SEBRAE e ONGs. Quais as atividades do Instituto e o que surgiu a partir dele e suas parcerias? 

Robert -  O INBRACULTMODE - Instituto Brasileiro de Cultura, Moda e Design foi criado para oferecer ações viáveis para o fomento de novos criadores. Com ele, criamos o Prêmio Rio Moda Hype, com estilistas novos desfilando na abertura do Fashion Rio; o portal Roda da Moda, que exibe mini docs sobre o processo criativo dos novos estilistas e também serve de janela para divulgar as exposições e eventos de artes plásticas. Lá também tem filmes sobre Inhotim, a Bienal de Veneza e muito outros conteúdos bacanas. E claro, a própria Babilônia. O INBRACULTMODE fez parte do primeiro grupo de trabalho formado no Ministério da Cultura para promover o reconhecimento da moda e do design como instrumentos de cultura. Acredite se quiser, até 2011 não era! Com este movimento de articulação do setor, conseguimos incluir a moda e o design na política cultural do país, o que para nós além de fundamental para a economia criativa, é também motivo de orgulho.


PZ - A Babilônia já ocupou espaços diferentes na cidade e passou por lugares como Marina da Glória, Clube do Flamengo, Píer Mauá, Forte de Copacabana e Jockey Club, onde foi a sede da feira por bastante tempo. Quais são as novidades desta nova fase no Monte Líbano?

Robert - Este novo formato vai oferecer ao público mais conforto, com melhor infra-estrutura e ar condicionado. A gente adora as tendas, mas com o calor tomando conta de cada vez mais dias no ano, é impraticável. Aproveitando a mudança, alteramos também a nossa logo e a responsável foi a talentosa designer Alice Gelli, que está cuidando da identidade visual desta nova fase da Babilônia. Os expositores também vão ter a oportunidade de potencializar e profissionalizar ainda mais seu stand e suas vendas, através de uma parceria entre a Babilônia Feira Hype e o SEBRAE RJ com cursos e consultorias ministradas pelo SEBRAE RJ. 

 

PZ - Conta mais.....

Robert - Bem, para o público podemos garantir que a Babilônia tem o compromisso de continuar a oferecer um programa no mínimo, muito charmoso. Além do salão com os expositores, teremos a varanda do Clube Monte Líbano, com uma vista linda para o Cristo e toda ambientada com móveis da Trapiche Carioca. Além da nossa praça gastronômica, com as típicas comidinhas de rua, e Cida baiana com seu acarajé e docinhos. Tudo isso ao som da Rádio Hype, com trilha criada pelo produtor musical Thiago Vedova. Um programa perfeito para o pós praia, agora que Feira Hype está do ladinho das praias Ipanema e Leblon!  E também para aquelas tardes nubladas ou de chuva, pois agora com este formato indoors não tem erro.


PZ -  A cada edição da BFH surgem mais expositores, produtos e novidades em geral. Quais são as apostas desta edição?

Robert - Tínhamos 200 expositores e agora em função do espaço menor tivemos que fazer uma seleção de 100. O mais legal é que muitos estão estreiando, então novidade é o que não vai faltar! Por conta disso, estamos apostando em todos!

 

PZ - O que você diria a um novo estilista ou artista, que ainda está no começo da carreira?

Robert - Para quem não sabe por onde começar, venha para a Babilônia Feira Hype! Quem sabe sua marca não vira uma campeã de mercado como várias outras que iniciaram suas trajetórias expondo na Babilônia? Pelo evento passou: Farm, Espaço Fashion, Reserva, Via Mia, Foxton, Alessa, Constança Basto e outras 4 mil marcas. Para ser um novo expositor basta fazer inscrição no site e depois conversar com o pessoal da seleção de novos stands no escritório da Hype Art Produções.  

 

E aí, pronto para conhecer o novo formato da feira? O Posto Zero vai pintar pela Babilônia e assim como fizemos na última edição, vão rolar algumas molezinhas imperdíveis para quem estiver por lá. Se liga na Rádio Hype pois é lá que rolam os sorteios! A gente se vê na Babilônia! 

Peraí, você não conhece a Babilônia? Então dá uma olhada nesse vídeo. Duvido você não querer correr pra lá!

 

 

*Crédito da foto Robert: Mariana Vianna/Divulgação.
**Crédito da foto Wasabi: Agência Fotosite