Rio de Janeiro com o Espírito Carioca

Gentileza tem limite

Um jeito carioca de protestar

post por Marcelo Gluz - 18 Jun 2013 às 05:48

Protestos no Rio de Janeiro com cartazes criativosO nosso Rio é ensolarado, florido, deslumbrante e sedutor. Nossos cariocas são alegres, bem humorados, radiantes e (como diria Sergio Buarque de Hollanda) gentis. Mas gentileza também tem limite. O nosso chegou e queremos menos. Menos robalheira, menos gastos supérfluos, menos maquiagem, menos mentira, menos descaso com nosso dinheiro e, é claro, menos R$ 0,20 nas passagens de ônibus**.


Mas a passagem de ônibus é só a pontinha do iceberg. E se a pontinha é do tamanho de duas moedas de dez centavos, a base é do tamanho do Brasil. Em vez de gelo, a montanha é feita de um sistema em que as decisões são tomadas por pressão vinda de vários lados. Menos do lado do cidadão comum. O principal culpado é justamente o cidadão comum, que por ser gentil demais, não costuma se manifestar com veemência. Não é de exigir demais dos serviços, nem de bater panela na frente dos prédios oficiais. E isso faz esse momento ser mais importante ainda. Porque a paciência do povo foi pras cucuias e ele foi pra rua cumprir seu dever cívico de protestar. E protesto é melhor que resmungo.

 


Cartazes da manifestação no Rio de JaneiroSe alguns canais de TV preferem mostrar o quebra-quebra da ALERJ do que o mar pacífico na cinelândia, a gente não é assim. 

Nossos olhos foram forjados pela beleza e a metade cheia do copo é sempre mais atraente. Qualquer multidão tem seu quinhão de almas infelizes, mas quem macula nossa cidade perde o título de carioca.  E pra ganhar de novo só ganhando medalha de frescobol, diploma de caipirinha ou sendo tema de escola de samba.


É claro que vão aparecer céticos (isso não vai levar a nada) e idiotas (vamos quebrar tudo) de todos os lados. Mas tanto os céticos quanto os idiotas hão de entender uma hora ou outra. Esqueçam os partidos, esqueçam as lideranças formais. Na era digital a revolução é descentralizada e ubíqua. Para leigos ela parece sem propósito e caótica. E talvez seja, mas isso não é ruim. Não precisamos de QG, nem de comando central. Vamos protestar com paz e criatividade, como num bloco de carnaval político. Sem pixar o Municipal, sem quebrar o Passeio Público, nem sujar a Rio Branco. Aqui do lado tem alguns exmplos de como a gente sabe fazer isso.

 

** Citação do nosso Luiz Henrique Romanholli, mais cedo no Facebook.